OrientaVida

29 outubro 2014 Postado por Nat . Nenhum comentário
Passeando pelas fotos do Instagram vi alguém postando fotos de umas pulseirinhas lindas, artesanais, simples e cheias de charme. Logo vi que elas são produzidas por uma ONG, a OrientaVida. Logo corri pra ver a história por trás daquelas peças que chamaram minha atenção.



A OrientaVida foi fundada em 1999 com o objetivo de ajudar pessoas menos favorecidas e combater a pobreza e falta de oportunidade, tudo isso, gerando trabalho. E, pouco a pouco, foram conquistando o mundo com trabalhos artesanais e inspiradores. No ínicio, o bordado em bolsas era a atividade da ONG, mas após expandir os projetos e capacitando artesãs, o leque de produtos cresceu e conquistou ainda mais sucesso. Comercializando esses produtos e com parceiros ao redor do mundo, a ONG mantem essa atividade de maneira continua com mais de 300 artesãs que vivem na região do Vale do paraíba (SP), que estão sendo sempre capacitadas, além de contarem com apoio social, psicológico e auxilio para uma vida melhor, longe da pobreza e com muito trabalho. Como se deve ser: aproveitando oportunidades para viver melhor! Aqui vocês encontram um geral da história da ONG.

Os produtos são maravilhosos. Eu, que sou fã incondicional de trabalhos artesanais, fico encantada! Eles tem uma lojinha virtual cheia de encantos. Separei algumas coisas pra mostrar aqui:

Já quero pulseirinhas!










E mais um monte de coisa linda!
É sempre bom conhecer esses projetos e unir o que a gente ama fazer - comprar - com o ajudar pessoas a estarem bem na vida! ♥

Conhecem trabalhos assim? Me contem! Quero conhecer!

Cidade do México - A Basílica da Virgem de Guadalupe

23 outubro 2014 Postado por Nat . Nenhum comentário
A Virgem de Guadalupe é a santa padroeira do México. Ir à Cidade do México e não conhecer a Basílica de Santa María de Guadalupe, é deixar de conhecer um dos pontos mais importantes da história do país. Acredito que independe de religião. Vale a história, o turismo e a beleza do lugar. E para mim, católica, valeu muito mais a energia renovadora e a fé que se apresentam naquele lugar.


Aberto diariamente, é o Santuário católico mais visitado das Américas. O "caminho" até a entrada do Santuário é cercado por lojas com artesanato típico do país, além de souvenirs da "Virgencita" em seus mais variados aspectos. Dá pra se perder por horas por aí.


Logo na entrada, a Antiga Basílica, com seus detalhes na estrutura barroca, chama a atenção, além da beleza, por estar visivelmente inclinada devido ao desgaste do tempo e aos fortes terremotos. Ao seu lado, imponente e moderna, está a nova basílica.





Por trás do altar, os visitantes podem passar por esteiras elétricas e estar mais próximo daquela imagem da Virgem que aparece na foto. Acredito que há missa regularmente ao longo do dia, pois ao chegarmos terminava uma, e ao irmos embora, depois de andar por todo o santuário, começava outra.

O Santuário é enorme, com jardins maravilhosos, várias capelas e imagens ao redor, além de museu e também um enorme galpão onde funciona uma feira típica no mesmo estilo das lojas que estão do lado de fora, na calçada até a Basílica. Agora, mais fotos...
















Pra chegar não é muito difícil, apesar de ser um pouco mais distante. O Metrô "La Villa" para perto, mas nós fomos de ônibus comum mesmo, só não me lembro nome, mas era algo como Villa também.


Beijoos, Nat

Devolva as minhas borboletas

17 outubro 2014 Postado por Nat . 2 comentários
Image: We ♥ it.

Dez meses. Duzentos e setenta e cinco dias. Seis mil, seiscentos e sessenta e cinco horas, para ser mais exata. E parece que você me levou uma vida inteira. Ou pelo menos destroçou cada segundo que se seguiu após você virar as costas e me deixar ali, sozinha, sentada na areia fria daquele fim de tarde em frente ao mar. Foi cruel. Eu não sabia se as ondas molhavam mais os meus pés ou as lágrimas o meu rosto. Você disse Adeus, sem muita explicação, e levou o meu sorriso, a minha graça, minha paz e meu sossego. Invernou o meu verão, sem nem dar chances do sol voltar a brilhar. E apanhou, sem dó nem piedade, todas as borboletas do meu estômago que eu voltei a sentir, depois de muito tempo, naquele fim de dezembro em que você cruzou o meu caminho. Estúpido, é isso que você é. Ou passou a ser.

Talvez a tonta tenha sido eu. Que ilusão pensar que um amor de verão fosse ir além da estação. (Mas eu podia jurar, de joelhos e mãos em prece, que eles durariam pelo menos até a primeira folha do outono cair) E quão decepcionante foi sentir o frio da solidão assim, de repente, congelando qualquer calor do meu coração. Ah, meu coração. Pra quê você o levou também? Já não bastavam as minhas borboletas? Sou capaz de te perdoar por roubar o meu coração, rompê-lo em pedacinhos e atirá-lo na estrada. Eu o conserto, colo cada pontinha e faço um mosaico. Ele tem se recuperado bem, devagar e sempre, mas bem. O tempo é um senhor remédio. Mas olhe, não sei se algum dia poderei desculpar a sua audácia e maldade em levar as minhas borboletinhas... 

Acho que você sabia o quanto elas são importantes para mim. E me entristece ainda mais perceber que você não se importou com isso. Esqueceu o quanto eu me sentia protegida em seu abraço naquelas noites frias, em frente ao mesmo mar que você me deixou. Esqueceu os longos beijos trocados sob a luz do luar e que tantas vezes você ousou dizer não haver experimentado tão doces. Esqueceu as vezes em que cantou em meus ouvidos, em meio a promessas de que nunca esqueceria aquele verão. Esqueceu cada segundo em que eu te fiz sorrir, em que eu te fiz feliz, em que eu te amei com cada centímetro da minha pele. Você poderia me esquecer, mas eu só queria que não esquecesse os nossos momentos. Mas eles nunca te importaram. Eu nunca te importei. E você levou as minhas malditas borboletas...

... e sem elas eu sou incapaz de voltar a amar. A sonhar outra vez. Pode ir pra sempre, pode nunca mais voltar. Mas por favor, me deixe ser feliz outra vez, como eu fui com você durante cada um daqueles quinze dias de verão em que você foi meu e que eu fui, inteiramente sua. Você sabe, acho que isso você não vai esquecer, mesmo que seja apenas mais um número para suas estatísticas. 

Só preciso de mais um tempo pra me reerguer de vez. Ando me fortalecendo em cada flor dessa primavera que antecede o próximo verão. Então, por favor, me permita voltar a sentir o que você me fez sentir, mas com outra pessoa. E para isso, eu só preciso que você devolva as minhas borboletas...

Resenha - Bolsas, Beijos e Brigadeiros

02 outubro 2014 Postado por Nat . 4 comentários
(Antes do post, um aviso. O blog agora é .com.br Uhuhu!! Por favor, alterem nos feeds e links de vocês, tá? Apesar de  redirecionar automaticamente, é sempre bom dar uma checada!)

Em meio a um apagão literário, consegui finalizar uma leitura em pouquíssimos dias. Acho que tô voltando ao normal e nada como um bom livro pra acender essa luz, né?

A última resenha que postei aqui foi do livro que antecede ao de hoje. Mais uma vez, Fernanda França me deixou doidinha com as aventuras de Melissa, em "Bolsas, Beijos e Brigadeiros".


Depois de ver sua vida mudar da noite pro dia e com algumas viagens na bagagem, Melissa estava pronta para o próximo trabalho. Percorrer a Europa de trem. E partiu, com muitos sonhos, animação e a incerteza do que seria o seu futuro com Théo. Deixou a mãe e a cunhada grávidas e mal podia esperar pelas surpresas que essa viagem lhe traria.

Além de novos lugares, pessoas diferentes, a aproximação da família paterna, e cada dia se conhecendo mais a medida que as aventuras do caminho lhe proporcionavam. O amor, continuava ali. Meio entre tranco e barrancos, mas de uma maneira que ela nunca havia sentido. E de certa maneira, cheio de espaços em brancos, que Théo precisava preencher com detalhes da sua vida que ainda não havia compartilhado com ela.

E foi assim, entre Itália e França. Grécia e Portugal. Cada cidadezinha com sua peculiaridade que deixou história na história dessa jornalista viajante com o emprego dos sonhos. Alguns sustos, é verdade. Mas no fim...ah, no fim o amor sempre vence, e tudo dá certo. Mais que certo!

-

Já pode querer outra aventura assim? Bolsas, Beijos e Brigadeiros é um verdadeiro guia turístico da Europa, e se a vontade de conhecer tudo já é grande, depois dele, ela fica praticamente insuportável! hahaha E Mel? Mel é tudo o que eu queria ser, viu? Que eu poderia ser....


Beijos e Brigadeiros pra vocês!

Cidade do México - Xochimilco

29 setembro 2014 Postado por Nat . Um comentário
"Chamada em Nahuatl, a língua dos astecas, de 'lugar dos campos de flores', Xochimilco era uma aldeia à beira do lago ligada a Tenochtitlán por uma passarela. Atualmente, esté é o único lugar da cidade do México onde é possível ver os chinampas, canteiros semiflutuantes de flores e verduras feitos pelos astecas." (Guia Visual, Folha de São Paulo)


Xochimilco era daqueles lugares que eu falava: não posso passar pela Cidade do México sem ao menos dar uma olhadinha ali. Em uma quarta-feira cinza, saímos cedo em direção a esse pedacinho tão carregado de energia mexicana. Não me lembro bem, mas saindo do Paseo de la reforma pegamos o Metrô direção Embarcadero, e lá o tren ligero até Xochimilco.


Chegando lá encontramos ruas tipicamente mexicanas, com ares de aldeia ainda, no caminho até onde ficam as embarcações, e por um momento achamos tudo meio abandonado. Essa foi a sensação que tive: abandono. O colorido dos barquinhos tão lindos, ali, a espera dos turistas e moradores da cidade que ainda desfrutam dessa tradição. Acho que falta incentivo pra que essa cultura não se perca, porque de verdade, é dos pedacinhos mais bonitos e imperdíveis do México.

É comum alugar um barquinho com a família e passear boa parte do dia pelas "vielas" do rio. O o nosso Barqueiro foi o Juan, que nos agradeceu imensamente por estarmos ali, prestigiando aquela cultura. Para mover o barco pelas águas, eles utilizam uma varas nos bancos de areia que ficam no fundo do lado. Pelo caminho, embarcações com mariachis podem cantar e tocar para você por um precinho camarada e negociável. Outras embarcações também vendem lanches típicos. Sua embarcação também pode fazer paradas para compras de iguarias como tapetes, artesanato, flores...
Ah, se você tiver coragem, também pode visitar a ilha das bonecas. Graças a Deus, nós não tínhamos muito tempo e não fomos, acho que eu não ia curtir! 






O preço pode ser um pouco salgado, eles queriam cobrar por pessoa. Mas, pechinchamos um pouco e como não tínhamos muito tempo e não fizemos o passeio completo, foi só pra conhecer mesmo. Pagamos cerca de $400 para as 4.

E não me arrependo! ;)

Acessórios de viagem - eu levei!

23 setembro 2014 Postado por Nat . 6 comentários
Na hora de fazer a mala ou planejar uma viagem, tem sempre aqueles itens essenciais que a gente se preocupa em ter pra levar. E se eles forem fofos e feitos especialmente pra gente, melhor ainda, né?
Dessa vez eu gritei dois nomes já conhecidos aqui do blog e que preparam coisas divinas! A Ana, do Costurices no Cafofo e a La Pomme.



Necessaires para maquiagem e bijoux são sempre um problema pra mim. Sempre que viajo eu compro uma diferente, seja por perder as velhas, desgostar, estragar. Aí encontrei no Cafofo da Ana essas belezuras na medida ideal pra mim - que não levo e nem uso muita maquiagem nem bijouteria. Do tamanho perfeito pra mim, mas se você precisar, a Ana faz maior e do jeitinho que você quiser! Escolhi essas estampas super coloridas e alto astral e minha mala ficou ainda mais organizada!
















Outro ponto de organização na viagem é: ter passaporte em mãos, caderninho de anotações - que eu usava de "pasta" pra juntar tudo quanto é papel -  e tag pra mala. Isso eu providencia na minha loja de personalizado preferida do mundo mundial. A La Pomme! E olha, eles tem toda uma sessão de itens pra deixar a nossa viagem ainda mais linda e a nossa cara.









 Espero que tenham gostado das dicas!